Pular para o conteúdo principal

Justiça Federal decide contra Limite de Idade para Oficiais Temporários da Aeronáutica

Desde a edição da da ICA 36-14, aprovada pela Portaria nº 1.355/GC3, de 4 de setembro de 2018, a Aeronáutica vem limitando a permanência de Oficiais Temporários, até os 45 anos de idade.

Todavia, tal restrição por idade vem sendo questionada perante a Justiça Federal, principalmente por militares que já receberam a decisão de licenciamento, apesar de terem cumprido as vezes apenas 1 ou 2 anos de serviço desde a incorporação.

Quando um civil resolve ingressar nas Forças Armadas para realizar serviço militar voluntário, tem a expectativa de que poderá permanecer até 8 ou 9 anos no serviço ativo, justificando assim sua entrega voluntária a um universo particular que lhe exigirá muito mais do que um emprego civil, dada as obrigações estatutárias e disciplinares a que estará sujeito.

Ademais, como se trata de serviço técnico, normalmente voltado a tender as necessidades da instituição militar em áreas de ciências, como, por exemplo: Informática, Enfermagem, Psicologia, Administração e Direito, limite de idade tão precoce (45 anos de idade) destoa da razoabilidade, e até viola o princípio do custo/benefício das contratações públicas.

Somente neste ano serão licenciados, no dia 31 de dezembro, em todo o Brasil, 38 Oficiais Técnicos da Aeronáutica com base na ICA 36-14, sendo que mais de 30 são 2º Tenentes, ou seja, ainda com pouco tempo de serviço, conforme  se verificou na PORTARIA DIRAP Nº 299/2CM1, DE 14 DE JANEIRO DE 2019, publicada no BOLETIM DO COMANDO DA AERONÁUTICA Nº 010.

Pelo menos dois destes militares, de Canoas-RS e de Santa Maria-RS, já ingressaram com ações na justiça, e inclusive obtiveram liminares para impedir o anunciado licenciamento.

Conforme vem se observando nas  ações judiciais propostas por militares inconformados com a negativa de prorrogação anual de tempo de serviço por conta de limite imposto apenas pela administração militar de 45 anos de idade, a Aeronáutica vem defendendo a legalidade das suas decisões, afirmando que a limitação etária não consistiria uma limitação para o exercício profissional, mas sim uma limitação da possibilidade de convocação e da permanência no serviço militar, com respaldo no art. 5º da Lei 4.375/64 - Lei do Serviço Militar.

A Lei do Serviço Militar, Lei 4.375, de 17/08/1964, ao tratar da duração do serviço militar, estabelece o seguinte: "Art 5º A obrigação para com o Serviço Militar, em tempo de paz, começa no 1º dia de janeiro do ano em que o cidadão completar 18 (dezoito) anos de idade e subsistirá até 31 de dezembro do ano em que completar 45 (quarenta e cinco) anos."

Por sua vez, nas respectivas ações, os militares defendem o contrário, que "... é inaplicável tal dispositivo legal sobre o caso concreto. A uma, porque tal lei não abrange o serviço militar voluntário, mas tão somente o serviço militar obrigatório, que, diga-se de passagem, exclui expressamente o gênero feminino; a duas, porque a jurisprudência pacífica JÁ DECLAROU QUE, SOBRE O ARTIGO 5º DA LEI N.º 4.375/64 (LEI que trata da obrigatoriedade do SERVIÇO MILITAR), É A OBRIGAÇÃO DE PRESTAR SERVIÇO MILITAR QUE SE EXTINGUE APÓS OS 45 ANOS, E NÃO SE CONFUNDE COM A PROIBIÇÃO DE EXERCER ESSA ATIVIDADE..."

E assim, recentemente, sobreveio a primeira sentença, oriunda da 4ª Vara Federal de Porto Alegre, dando PROCEDÊNCIA a demanda, nos seguintes termos:

"Ante o exposto, concedo o pedido de tutela de urgência e, extinguindo a ação na forma do art. 487, I, do CPC, julgo procedente a ação para (a) declarar a nulidade do ato administrativo que determinou o licenciamento da autora em 31/12/2019 por motivo exclusivo de idade, suspendendo imediatamente os seus efeitos, (b) determinar à União que conceda à autora a prorrogação do tempo de serviço militar, como Oficial de Enfermagem voluntária e temporária, para o período integral de 20/02/2019 a 20/02/2020 e (c) determinar à União que receba o próximo requerimento de prorrogação de tempo de serviço formulado pela autora para o período de fevereiro/2020 a fevereiro/2021, vedando a negativa do pedido por motivo de idade." (Data da sentença: 11/6/2019)

Ainda cabe recurso da UNIÃO.

O escritório Michaelsen Advocacia representa os militares da Aeronáutica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

LICENÇA ESPECIAL: Justiça Federal reconhece que portaria do Ministério da Defesa reabriu o prazo prescricional

Indenização das Licenças Especiais não gozadas: Uma Nova Chance
Os militares das Forças Armadas que haviam perdido o prazo para a propositura da ação indenizatória das Licenças Especiais não gozadas, cuja PRESCRIÇÃO ocorre em cinco anos a contar da passagem para a inatividade, agora ganharam uma segunda chance.

Conforme recentes decisões judiciais, à partir da publicação da Portaria Normativa n.º 31/GM-MD, de 24/05/2018, do Ministério da Defesa, que reconheceu o direito indenizatório, teria ocorrido então a renúncia à prescrição do fundo de direito pela administração federal, ensejando assim o reinício da contagem do prazo prescricional em sua integralidade.

Portanto, o militar que, na data da publicação da Portaria Normativa n.º 31/GM-MD, de 24/05/2018, já tenha sido transferido para a inatividade, desligado da Corporação Militar ou falecido há mais de cinco anos, tem agora o direito à conversão em pecúnia (sob a forma de indenização) de licença especial não usufruída, nem computada …

Filha de militar excluída do FUSEX tem direito a ser reincluída independentemente de prazo fixado por Portaria

A controvérsia cinge-se à possibilidade de reinclusão, a qualquer tempo, de filha de militar, como beneficiária do Fundo de Saúde do Exército - FUSEx, após ter sido excluída automaticamente pela administração militar.

O FUSEx é o fundo de atendimento médico-hospitalar dos militares (ativos e inativos), bem como de seus beneficiários, destinado a complementar o custeio da assistência médico-hospitalar.

A Lei 6.880/80 prevê o direito à assistência médico-hospitalar para o militar e seus beneficiários no artigo 50:

Art. 50. São direitos dos militares:
(...)
IV - nas condições ou nas limitações impostas na legislação e regulamentação específicas:
(...)
e) a assistência médico-hospitalar para si e seus dependentes, assim entendida como o conjunto de atividades relacionadas com a prevenção, conservação ou recuperação da saúde, abrangendo serviços profissionais médicos, farmacêuticos e odontológicos, bem como o fornecimento, a aplicação de meios e os cuidados e demais atos médicos e paraméd…

Sindicância no âmbito do Exército Brasileiro - EB10-IG-09.001 (com download)

A  SINDICÂNCIA no âmbito do Exército Brasileiro funciona como um PROCESSO ADMINISTRATIVO, e cujo instrumento, reunindo características eminentemente processuais, tem por finalidade apurar, sempre por determinação da autoridade militar competente, determinados atos ou fatos que se relacionam com a ocorrência de uma possível irregularidade disciplinar conhecida ou denunciada, sujeitando um ou mais indivíduos a um procedimento regular, com garantias ao direito do contraditório e da ampla defesa, para, ao final, poder se afirmar a verdade real dos fatos investigados e deduzir seus possíveis reflexos na esfera de responsabilidade dos envolvidos, inclusive com sujeição à imposição de sanção disciplinar militar prevista no Regulamento Disciplinar do Exército. A sindicância no âmbito militar - ou sindicância disciplinar – é o procedimento que cumpre o papel do processo disciplinar das outras instituições públicas, reunindo, todavia, elementos inquisitoriais, processuais e executivose cuja pr…