segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Nota de REPÚDIO ao programa "Encontro com Fátima Bernardes"

Prezados leitores,

Não passou despercebida a inusitada 'enquete' produzida e apresentada na televisão por Fátima Bernardes, no programa que leva o seu nome, reproduzida na TV Globo em 17/11/2016, onde se verificou a exposição de cenas de um filme nacional que trata de um médico do sistema público que se vê obrigado a decidir quem vai atender primeiro, entre duas pessoas feridas, um traficante e um policial. Tal tema foi apresentado como uma 'polêmica' a ser debatida por alguns 'artistas' presentes.

A referida apresentadora quis então saber, de seus convidados, quem eles socorreriam antes, se um policial ferido ou um traficante com risco de morte. 

Os convidados estimulados pela referida apresentadora escolheram, entre risos e deboche, atender primeiro o criminoso, ignorando por completo a razão do porquê o policial se encontrava ferido (com um projetil alojado na cabeça), eis que obviamente foi vitimado em confronto com o próprio traficante ou outro bandido.

Todavia, o ato médico não deveria mais sequer causar polêmica, eis que modernamente cabe exclusivamente ao médico a avaliação das circunstâncias, a tomada de decisão e a responsabilidade em relação aos seus pacientes.

Portanto, é aviltante apelar por uma tomada de posição (meramente fisiológica) por parte de leigos sobre matéria médica, e cujo único propósito (da polêmica) era estabelecer suposta 'humanização' em relação a um traficante ferido,  mesmo que para isso fosse necessário ao optante renegar o próprio interesse pela integridade de um policial.

Ora, com o devido respeito a todos que se solidarizaram com o traficante ferido, mas trata-se de um bandido que, por fazer do crime a sua atividade, se colocou em situação de risco, para lesar e ameaçar constantemente a vida, saúde, propriedade e integridade dos demais cidadãos que buscam no trabalho honesto a sua ocupação.

O policial militar vive de seu soldo, e é treinado para proteger os fracos e os indefesos, as vezes com o risco de sua própria vida, o que faz dele um herói.

Já o bandido é apenas um bandido, danoso para a sociedade em geral e do qual não se espera mais do que o egoísmo, a covardia e a brutalidade.


Não obstante não ser a linha deste portal de notícias jurídicas, mas por defendermos os DIREITOS DOS MILITARES, o referido programa de televisão, ao nosso ver, ultrapassou toda e qualquer razoabilidade, ao menosprezar gratuitamente as vidas dos policiais militares e a finalidade das instituições de segurança pública, e, pior, porque partiu em defesa do verdadeiro inimigo, o que se traduz em supremo ato de TRAIÇÃO, pelo que resolvemos deixar aqui registrado o nosso REPÚDIO contra a ignorância e o desserviço deixados pela desvirtuada matéria em questão, que foi produzida e veiculada pelo programa "Encontro com Fátima Bernardes".

Cidadão brasileiro, defenda os militares da insensatez dos narcisistas, porque sem a presença deles não haverá mais proteção, e as risadas virarão lamentos.

Maurício Michaelsen
OAB/RS 53.005


Nenhum comentário:

Postar um comentário